Como ser au pair nos Estados Unidos

by Suellen Kyl

ser au pair

Um programa de intercâmbio que vem se tornando cada vez mais conhecido no Brasil é o programa de intercâmbio cultural Au Pair. Au pair é um(a) jovem que tem experiência com crianças, que parte para os Estados Unidos através de uma agência para morar e trabalhar cuidando das crianças na casa da família anfitriã. O au pair pode trabalhar até 45h/semana  e tem direito a pelo menos 1 final de semana completo por mês. A família anfitriã é responsável por fornecer ao jovem um quarto individual e alimentação.

E agora bateu uma vontade de ser Au Pair nos estados Unidos, o que você deve fazer ? Vamos começar falando dos requisitos :

–          Homem ou mulher com idade entre 18 e 26 anos ;

–          Ter inglês intermediário ;

–          Ser solteiro(a) e sem filhos ;

–          Ter completado o ensino médio ;

–          Ter no mínimo 200 horas de experiência com crianças;

–          Ter mais de 20 anos se for trabalhar com crianças menores de 2 anos;

–          Ter no mínimo 200 horas de experiência com crianças menores de 2 anos caso queira trabalhar com essa faixa etária ;

–          Ser paciente e gostar de crianças.

ser au pair

Por onde começar?

Se você ainda não tem um intermediário de inglês, começar pelas aulas pode ser uma boa ideia. Au pairs com um nível baixo de inglês tem mais dificuldade para encontrar uma família e maiores dificuldades de adaptação.

Se você ainda não tem experiência com crianças, não perca tempo ! Muitas escolas e creches aceitam voluntários para ajudar com as crianças. Procure algo na faixa etária que você se sente mais comfortável em cuidar.

ser au pair

Qual agência escolher?

Essa é uma questão polêmica e vai depender exclusivamente de você. O que varia é o preço, o serviço que cada agência vai fazer vai ser o mesmo : ser o intermediário entre você e a família. Reclamações existem de todas elas, assim como elogios. Lembre-se que o agente que te apoia durante o seu processo de preenchimento de dossiê até a sua partida não tem nenhuma relação com o seu ponto de contato nos Estados Unidos. Na verdade não tem como saber se o seu contato nos Estados Unidos vai ser bom ou não, até você chegar lá (e precisar de apoio). Cada região americana tem como responsável uma LCC (local childcare coordinator) e cada agência tem a sua divisão de área e de LCC. Ela vai ser a responsável por todo e qualquer problema que você venha a ter e vai te ajudar a se conectar com outras au pairs da área para que você se socialize e faça amigos.

Preciso mesmo vir por uma agência?

Sim. Diferentemente de outros países, os Estados Unidos exige que o processo seja realizado através de uma agência, caso contrário o visto de au pair (J-1) não pode ser emitido. Algumas meninas vão como turistas, mas isso já é outra história…

Quesito preço: agência mais barata x agência mais cara

Se o quesito preço é algo prenominante para você ao determinar o que escolher, saiba que nesse caso não é algo que vai fazer a diferença. O serviço oferecido pelas agências é basicamente o mesmo: você preenche o dossiê, a agência avalia, valida e deixa disponível para as famílias cadastradas na mesma agência.

O contato é feito através de emails/skype/telefone e após o match, o processo é o mesmo: visto, embarque e treinamento. As agências não tem nenhuma influência na obtenção do visto, ele é de sua completa responsabilidade. No treinamento, as informações dadas por todas as agências são as mesmas e o objetivo é de preparar a au pair para a chegada na família.

Durante o treinamento, algumas agências oferecem um treinamento especial para au pairs que irão cuidar de crianças menores de 2 anos, que é um extra pago pela família. Após a chegada na família, uma LCC(local childcare coordinator) será responsável por ajudar a(o) au pair a se integrar e a resolver qualquer problema que ela(e) tenha com a família.

Qual agência oferece o melhor suporte?

É complicado de responder essa pergunta porque o suporte que você terá nos EUA vai depender principalmente da sua LCC. Como em todo e qualquer lugar, existem aquelas pessoas que realmente levam a sério o trabalho que fazem e aquelas que simplesmente não estão nem aí. Vai depender da sorte ter ou não uma boa LCC. E se você vai precisar da ajuda dela ou não. Durante meus anos, tive a sorte de ter uma família boa e nunca tive qualquer problema que não pudesse ser resolvido sem a intervenção da LCC. E dependendo do problema, é sempre bom conversar com a família e ter resolver sem falar com a LCC antes.

Qual agência você recomendaria?

Questão complicada, a escolha da agência é algo bem pessoal. Tem gente que conhece a agência no Brasil, fala com o representante brasileiro e escolhe a agência baseando-se nessa experiência. Vale lembrar que o suporte que você tem no Brasil, não vai ser necessariamente o que você terá nos EUA, então escolher a agência baseando-se na simpatia do representante brasileiro, na minha opinião é um tremendo erro. Eu escolhi a minha agência baseada no meu feeling. Quando comecei a procurar sobre o programa, me deparei com a Cultural Care e de cara escolhi que seria essa. Não posso reclamar do suporte porque como já disse, nunca precisei então pra mim a agência fez o seu papel.

Você também pode se interessar...

Deixe um Comentário 🙂