Dificuldades de morar no exterior

As dificuldades de morar no exterior nem sempre são vistas por quem está no seu país de origem. Deixar tudo para trás, trabalho, família, amigos e embarcar em uma grande aventura que é morar no exterior, poderá ser a melhor e a pior coisa que você pode fazer na vida.

As dificuldades de morar no exterior

Toda aquela mistura de sentimentos, alegria, tristeza, ansiedade e curiosidade tudo junto e misturado no dia do embarque, com o tempo se transforma em coisas boas e ruins. O tempo de adaptação varia de pessoa. Existem pessoas que se adaptam rapidamente, outras demoram mais tempo e existem aquelas que nunca se adaptam e voltam para o país de origem. Geralmente uma hora a gente se habitua ao lugar e tudo começa a se encaixar, mas dias bons e ruins vão continuar a existir.

morar no exterior

O sentimento constante de culpa

Quem mora longe de casa se sente culpado por estar longe. De não participar da vida familiar, não estar perto dos nossos pais e dos nossos amigos. De saber que nossos pais estão envelhecendo e que não estamos perto para acompanhar. De perder aniversários, casamentos e os natais com todo mundo reunido. É vontade de querer estar lá sem deixar de querer estar aqui.

Um dos maiores medos de quem mora no exterior é de que algo ruim aconteça na família e não possamos estar perto.

Incertezas sobre morar no exterior

Nos perguntamos se realmente vale a pena viver longe das pessoas que amamos. Apesar de conhecer a realidade e os motivos que nos levaram a partir, nos questionamos se é isso mesmo que queremos e se vamos passar a vida toda longe de casa. Mas ao mesmo tempo nos orgulhamos de ter partido, pois não é uma decisão fácil, requer muita força de vontade e foco nos nossos objetivos.

É preciso muita coragem

Deixar tudo para trás é no mínimo doloroso e deixar as pessoas que amamos em lágrimas não é algo fácil de se fazer. Começar do zero em um novo país é como se jogar de paraquedas e não saber ao certo onde vai parar. É arriscar e estar pronto para enfrentar as dificuldades que encontraremos pela frente e mesmo assim não querer voltar.

Determinação

Determinação é a chave de tudo. Temos que ter foco e devemos nos preparar para lutar pelos nossos objetivos. Não desista nunca dos seus sonhos e por mais difícil que seja a jornada, um dia você chega lá. É só seguir em frente e acreditar que tudo vai dar certo.

Para refletir

O preço é alto. A gente se questiona, a gente se culpa, a gente se angustia. Mas o destino, a vida e o peito às vezes pedem que a gente embarque. Alguns não vão. Mas nós, que fomos, viemos e iremos, não estamos livres do medo e de tantas fraquezas. Mas estamos para sempre livres do medo de nunca termos tentado. Keep Walking.

Aprender e conviver com um novo idioma

Não é nada fácil aprender outro idioma. Estudamos durante anos no Brasil mas quando chegamos no país desejado percebemos que não sabemos praticamente nada e que tudo que achávamos que sabíamos não tem mais o mesmo sentido. Ter que ouvir um idioma que não dominamos o dia inteiro, todos os dias da semana não é fácil, e chega uma hora que você não vai mais suportar e não terá mais vontade de falar. Seja inglês, francês, alemão ou qualquer outro idioma. Tudo o que você vai desejar é o bom português, sua língua materna na qual você consegue entender e se expressar corretamente, sem ter que pensar em formar frases antes de falar.

Tempo de integração ao morar no exterior

Deixamos nosso país para trás, mas muitas vezes não estamos abertos a vivenciar uma nova cultura, não aceitamos o diferente e demoramos mais tempo para nos habituar. É preciso grande esforço para compreender os hábitos e as regras sociais do país de destino e mesmo assim preservar nossas origens.

O constante sentimento de solidão

Morar no exterior é conviver quase que diariamente com a solidão. O país é diferente, a cultura é diferente e fazer amigos pode não ser tão fácil como fazer amigos no Brasil. Muitas vezes temos que passar datas comemorativas sozinhos, pois a vida não é exatamente como mostra as redes sociais. Ninguém vive rodeado de amigos e em festas o tempo todo, cada um tem sua vida e talvez você não tenha aquele(a) amigo(a) que vai te ligar e avisar: estou passando aí.

A dor da saudade

E ela chega, sempre chega, pode ser no início para te fazer pensar em desistir, pode ser depois de algum tempo de adaptação, mas aprendemos a matar a saudade via skype, WhatsApp, Facebook.... Percebemos que a vida continua, perdemos aniversários, nascimentos, natais... E nos perguntamos se é isso mesmo que queremos, mas como lidar com a vontade de estar lá e querer continuar aqui? Sofremos e nos questionamos, mas sabemos que fizemos a escolha certa.

Deixo essa mensagem para vocês

Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser. Que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver. (Amyr Klink)

2 comments

  1. Paty 3 outubro, 2015 at 13:53 Responder

    Tudo tem seus dois lados, a quem escolher ir e vivenciar coisas novas mesmo enfrentando a distância, saudade e solidão e há quem escolha ficar e enfrentar a insegurança, a péssima qualidade de vida e o desrespeito geral.

Leave a reply