Roteiro de 3 dias na Suíça no verão

Confira nosso roteiro de 3 dias na Suíça com direito a paisagens incríveis, comida de montanha e muita caminhada descobrindo as belezas dos alpes!

Conhecendo a Suíça no verão

Fomos para a Suíça pela primeira vez com a intenção de passar tempo em meio a natureza e para isso escolhemos viajar para Zermatt, na Suíça. Um vilarejo de montanha conhecido por ser o ponto de partida para as expedições de escalada do Monte Cervino ou Matterhorn (aquela montanha que aparece no logo da marca de chocolate suíço Toblerone). Um vilarejo turístico sem dúvida, mas isso também significa ótima estrutura turística. O que pudemos testar e aprovar! 🙂

Como chegar na Suíça de Paris?

O trem é a melhor opção. Escolhemos partir de Paris de trem TGV Lyria até Lausanne na Suíça, um trajeto de 3h30 min. Queríamos aproveitar bem os nossos 3 dias disponíveis e por isso passamos a noite em Lausanne em um hotel próximo da estação de trem. No outro dia levantamos bem cedo para pegar o trem regional da Suíça em direção à Zermatt às 6 da manhã.  Pegamos um trem  até a cidade de Visp e depois uma correspondência para o vilarejo de Zermatt, um trajeto de 2h45 min. O trem regional atravessa tranquilamente as montanhas a partir do Lago Léman.

Viajar de trem é super legal porque além de ser mais confortável que o avião, as paisagens são lindas e nós chegamos na estação já no centro da cidade e caminhamos até o hotel. O trajeto foi tranquilo e não tivemos nenhum problema. É possível comprar passagens de trem baratas, a dica é simples: planejar e comprar as passagens 3 meses antes de viajar!

Zermatt, um vilarejo encantador

Zermatt representa bem a ideia que eu tinha da Suíça antes de viajar para lá. Um pequeno vilarejo charmoso (onde carros não são permitidos, apenas pequenos veículos elétricos!) com ruas super limpas, pessoas educadas, casas, hotéis e restaurantes com arquitetura estilo chalé, flores por toda a parte e montanhas no plano de fundo!  

O ponto forte de Zermatt é uma famosa montanha que se ergue não muito longe. O Monte Cervino, Matterhorn em alemão e Mont Cervin em francês, tem muitas histórias para contar! Não perca a chance de visitar o Museu Matterhorn e conhecer mais sobre as incríveis histórias dessa montanha.

Para programar todo o roteiro da viagem pesquisamos bastante sobre as trilhas e várias outras informações importantes como horários, restaurantes, hotéis e preços no site do Departamento de Turismo de Zermatt. Informações valiosas disponíveis online e até mesmo em português.

Por ser um vilarejo super turístico o acolhimento no Departamento de Turismo é de alto padrão. Chegando em Zermatt, nós os visitamos, tiramos várias dúvidas e eles foram super pacientes e gentis mesmo com o lugar repleto de turistas recém-chegados.

Onde se hospedar em Zermatt

A Suíça tem a reputação de ser um país caro. Por isso, você deve estipular seu orçamento e pesquisar hospedagens baseadas no que você busca. Há diferentes tipos de hospedagem disponíveis em Zermatt. Desde hostels à 30 euros a noite à palácios por 50 vezes esse valor! Nós ficamos no Hotel Jägerhof, em um apartamento estilo chalé de montanha, confortável e limpo, sem nenhum barulho o que foi ótimo para descansar.

O Hotel Jägerhof tem um excelente café da manhã para começar muito bem o dia de exploração das montanhas suíças. Tivemos uma ótima estadia e recomendamos o Hotel Jägerhof!

3 dias na Suíça: O que fazer em Zermatt

Fizemos 3 diferentes trilhas que prometem paisagens magníficas e que são bem conhecidas e sinalizadas. Se você escolher essas 3 trilhas você terá uma excelente visão geral do que é os alpes suíços no verão! 

5-Seenweg (Trilha dos 5 lagos)

Para o primeiro dia, escolhemos a trilha dos 5 lagos, um percurso de 9,3 km que passa por 5 diferentes lagos de montanha.

O ponto de partida fica na estação de Blauherd, acessível à partir de Sunnegga (a estação do teleférico que parte de Zermatt à cada 10 minutos). Blauherd está à 2.571 m de altitude, mas a trilha é principalmente uma descida. Prepare-se para uma caminhada fácil e bem natureza, alternando grandes panoramas alpinos com descidas entre as árvores e lagos encantadores.

As estrelas dessa trilha são os 5 lagos: Stellisee, Grindjisee, Grünsee, Moosjiesee e Leisee. Eles estão localizados em altitudes diferentes e em paisagens diferentes! O primeiro, Stellisee, é o mais famoso entre eles pois fica a algumas centenas de metros da estaçao Blauherd e é onde tiramos a famosa foto do Monte Cervin refletindo nas águas calmas do lago.

O segundo, Grindjisee, é acessivel à partir de varios caminhos. Escolhemos a opção mais aventureira, em que passamos pelo alto de uma colina ao invés de uma "estrada" de pedras. A trilha continua e é preciso subir um pouco para chegar ao Grünsee, o terceiro lago onde é possível se banhar. O lago é rodeado de verde e por isso é também um lugar ideal para fazer um picnic 🙂

Continuamos nossa aventura até Moosjiesee, um lago de cor indescritível. Não é nem turquesa, nem azul-bebe, é simplesmente lindo. Lembra a mesma cor das águas do principal rio do vale, que passa em Zermatt, o Matter Vispa. Mas como no lago a água é calma, a cor se intensifica.

A trilha termina no lago Leisee, aos pés da estação Sunnegga. Este lago, por ser facilmente acessível através do teleférico, é uma das atrações de Zermatt. Apesar do seu tamanho, lembra uma prainha e por isso é bastante frequentado por famílias com crianças. O Leisee é também um ponto de chegada de diversas trilhas, como no nosso caso! Após um pequeno repouso as margens do lago, por volta de 18h, nós pegamos o teleférico para retornar a Zermatt.

Matterhorn Glacier Trail (Trilha da geleira)

No segundo dia, depois de uma boa noite de sono partimos para uma trilha totalmente diferente. Ao invés de paisagens verdes e lagos coloridos nos deparamos à rochas, gelo e neve eternas! O cenário me lembrou filmes de exploração de outro planeta 😀

A trilha da geleira, como seu nome diz, é uma bela e longa caminhada aos pés do Monte Cervino, onde passavam as antigas geleiras. Ela é perfeitamente sinalizada desde o ponto de partida na estação Trockener Steg à 2.923 m. Foi de lá que começamos nosso caminho em direção a montanha do Toblerone. A primeira parte da trilha revela uma paisagem desolada, árida e fria. A neve eterna não está muito longe. Ela derrete e cria múltiplos pequenos lagos de alta montanha por todo o caminho. Alguns desses lagos estão até cobertos de gelo. Uma paisagem bela e surreal!

Quando nos aproximamos do hegemônico Monte Cervino, o caminho é pontilhado com painéis explicativos focados na geologia da região. O circuito atravessa o antigo vale onde um dia houve uma importante geleira que desapareceu com o tempo. As duas principais geleiras (Furgg e Théodule) recuaram 3 km desde 1850, dando lugar a uma paisagem semi-desértica.

É realmente difícil descrever as paisagens que descobrimos durante esse meio dia de caminhada que terminou na estação Schwarzsee. Confira algumas fotos:

Gorges de la Gorner (Trilha do desfiladeiro do Gorner)

A trilha do desfiladeiro do Gorner tem nome de filme do Indiana Jones, e pode acreditar, a paisagem é de tirar o fôlego!

As geleiras que derretem e lagos e pequenos riachos se formam nas montanhas. Daí toda essa água chega em um único rio que se chama Gorner. Ao longo dos tempos, esse rio "cavou" um cânion ou desfiladeiro bem perto de Zermatt. O lugar é acessível a partir de uma trilha partindo de Zermatt em direção à estação Furi, ou à partir da estação mesmo.

Mas por que esse desfiladeiro é interessante? Simplesmente por que à partir da instalação de escadas e plataformas em madeira (em 1886!) é possível visitar o coração do desfiladeiro do Gorner! Não é apenas uma vista panorâmica, é uma descida até bem perto das águas turbulentas através de passarelas. O percusso da visita dura alguns minutos e a entrada custa 5 CHF (leve o dinheiro trocado, eles não passam cartão).

Eu aconselho vir à partir da estação do teleférico Furi e seguir a trilha para o desfiladeiro descendo a montanha através de uma floresta. A trilha em meio as árvores é encantadora e com sorte você encontrará marmotas! No final da trilha, depois de passar pelo desfiladeiro, você chega em Zermatt. As fotos não fazem jus a toda a emoção, beleza e barulho das águas nessa trilha. Vale muito a pena!

Vista panorâmica à 3.883 m de altitude

No último dia pegamos o teleférico até o alto da montanha Rothorn, que é a vizinha do Monte Cervino.

O lugar é tão alto e frio que tive dificuldade de respirar nos primeiros minutos. Um mirante nos proporciona uma vista panorâmica de arrepiar (principalmente pra quem tem medo de altura :D). E é ali,  a 3.883 m de altitude que fomos apresentados à neve eterna. Seja no inverno ou em pleno verão (quando fomos) a neve está sempre lá nunca derrete e as pessoas esquiam!

vista panoramica a 3883 metros de altitude em zermatt

Foto: Guia do Estrangeiro

Hiking em Zermatt

Zermatt possui dezenas de trilhas para todos os níveis. Os aventureiros podem simplesmente partir e seguir as placas e ver aonde elas vão levar ou escolher circuitos temáticos como: trilha do caminho das marmotas, trilha das flores, trilha das geleiras, etc.

As 3 trilhas que fizemos são acessíveis para iniciantes.  Andando rapidamente leva-se cerca de 2 horas por trilha. No entanto, adicionando o tempo de apreciar a paisagem, tirar fotos, fazer um piquenique e descansar... dependendo da trilha, pode virar um dia inteiro de diversão 😀

Conselho para os iniciantes: utilize o teleférico para ficar mais próximo do ponto de partida.

vista do alto da suiça

Foto: Guia do Estrangeiro

boa viagem

Leave a reply

%d blogueiros gostam disto: